Bits to Brands #132 | Uma celebridade para chamar de sua

Eis a busca recente de todas as marcas. Será que tem um limite?

Previously on..

#130 | Três anos em três frases

#131 | Orgulho (ou surto?) cringe
Tempo de leitura: 5 minutos

Se 2020 foi o ano em que as marcas se humanizaram através de pessoas virtuais, personagens criados especificamente para representá-las, 2021 ainda está na metade mas já é o ano em que as marcas têm se humanizado através de pessoas reais.

Celebridades, influenciadores e artistas, que foram muito além do publi e passaram a assumir papeis de embaixadores, diretores criativos e, mais recentemente, até cadeira no conselho.

Influencer Marketing and Authenticity cartoon
Um influenciador, durante uma call, diz: “Estou pronto para ser um influenciador para a sua marca. O que eu ofereço é autenticidade. Eu genuinamente adoro seu óleo CBD. Ou era um smoothie para dieta? Vitaminas para o cabelo?”. A empresa responde: “Serviços financeiros..”

Ao mesmo tempo em que há um influenciador para cada nicho possível e imaginável, a sensação é de que as marcas têm disputado espaço na timeline dos mesmos ex-BBBs.

Ao mesmo tempo em que ainda há muito a aprender sobre a lógica convencional do marketing de influência, as marcas têm atribuído novos papeis à artistas e influenciadores para virar manchete.

Ao mesmo tempo em que recomenda-se buscar personalidades que combinem com a marca, as marcas têm buscado perfis completamente diferentes na busca por construir uma imagem nova.

E enquanto trazer um grande nome para fazer parte do seu time pode ser algo extremamente inspirador, cargos de liderança também envolvem gestão de pessoas, presença no dia a dia e experiência no mundo corporativo.

Assim, algo que até pouco tempo atrás era simples - influenciador tem audiência, marca paga para atingir essa audiência, ganhou uma série de nuances.

Como em tudo no branding, não existe resposta certa. O que existe são direcionamentos estratégicos que, preferencialmente, devem ir de encontro a objetivos de negócio e posicionamento.

Se eles puderem estar conectados a uma tendência, melhor ainda. Mas esse não deve ser o único objetivo.

Alguns exemplos para ficar de olho:

  • Gil, Juliette e a corrida das marcas para pegar emprestado o seu carisma.

    Desde que saíram da casa do BBB, Gil e Juliette não pararam. Enquanto ele tem interagido com muitas empresas diferentes, a ganhadora da edição prefere uma abordagem em que firma compromissos mais duradouros, com menos marcas. Ou até certo ponto.. porque neste momento ela já é embaixadora de 8 marcas. Todo mundo quer um pedaço dos “cactos” e dos "vigorosos”, mas será que tem um limite?

  • Victoria's Secret e o seu reposicionamento através de embaixadoras.

A gente se distraiu um pouco e a Victoria's Secret está completamente diferente. É só dar uma passada na timeline do Instagram para ver que não tem mais Angels ou fantasias. E sim, mulheres reais, fora do estúdio e vivendo a vida ao ar livre.

Para consolidar essa mudança, ela apresentou o VS Collective - um grupo de 7 mulheres que vão colaborar em produto, conteúdo e causas. Mulheres referência nas suas respectivas áreas, e que representam muito mais do que um ideal de “sexy”. Mas olhando para todo o histórico da marca, ainda fica a desconfiança: será que vai colar?

  • A controversa associação de Anitta ao Nubank.

A grande discussão da semana passada foi a chegada da Anitta ao Nubank não como embaixadora ou diretora criativa, mas como membro do conselho executivo. Apesar do conhecimento em marketing, estratégia e do público brasileiro que ela traz ser inegável, muitos argumentaram que um cargo desse tipo em um banco exige conhecimento profundo do mercado financeiro. Assim, Anitta vai ter que estudar. Recomendo a análise da Hilaine Yaccoub:

A post shared by @hilaine

_

Se você gostou do conteúdo, compartilhe para que mais pessoas leiam e conheçam a Bits to Brands:

Share


Momento de Inspiração

Enquanto isso, em algum lugar do mundo em que é verão e as pessoas já podem compartilhar cervejas ao ar livre, a Heineken entrou na conversa com um cooler-robô. Com direito a trocadilho: BOT, o Beer Outdoor Transporter. Depois de tanto tempo refletindo a vida em casa e as saudades do convívio social, vai ser interessante acompanhar as marcas mudando de cenário.


Caixa de Perguntas

Um espaço pra opinar mais livremente, falar mais da minha experiência, o que tem por trás da Bits e, claro, como eu posso ajudar por aí. Deixe aqui neste link sua pergunta sobre construção de marca, uma tendência recente, sobre newsletter ou estratégia de conteúdo, que toda semana uma delas será respondida :)

Para preservar o tamanho do e-mail, voltamos semana que vem com essa seção. Deixe a sua pergunta na caixinha :)


Das minhas abas para as suas

  • Bits to Brands no Metrópoles. Se me contassem três anos atrás que eu ia dar uma entrevista para um grande portal, sobre a minha trajetória e ajudando a disseminar esse formato que eu acredito tanto, eu não ia acreditar. Mas tá aqui o link. E eu to feliz demais em compartilhar esse momento com vocês :)

  • Enquanto marcas querem celebridades embaixadoras… O Guaraná quer clientes embaixadores. Para comemorar os 100 anos, a marca está convidando as pessoas a criar conteúdo e participar de escolhas criativas.

  • Anúncios em Realidade Virtual. Só podia vir dele: o Facebook está testando como inserir anúncios dentro do conteúdo e aplicativos da sua plataforma Oculus. Vem aí uma nova era de publicidade imersiva?

  • "Era dos camaleões”. Gostei bastante dessa análise, que mostra como diversas empresas têm estendido sua atuação para se reinventar. Bons exemplos e uma boa conclusão: mais do que unicórnios, as empresas hoje precisam ser camaleões.

  • Os gamers no Brasil não são como você pensa. A começar que deveria ser “as gamers”, já que as mulheres representam mais de 50% desse perfil, que por sua vez já é 72% da população brasileira.

  • Fidgets de brilhante. Parte importante da chamada economia da ansiedade é a quantidade de produtos vendidos como “anti inquietação”, os chamados fidget toys. São aqueles brinquedos de apertar, girar ou puxar, repetidas vezes. Fiquei fascinada ao descobrir que existem fidgets de adulto - feitos de ouro e brilhantes, e vendidos em joalherias.


Final notes

Queria dar as boas-vindas a todos que chegaram aqui essa semana depois da aula sobre Love Brands para o Curso &, da Perestroika com a Gama Academy. Ensinar é uma grande responsabilidade, mas uma grande diversão também. Obrigada pela confiança :)

Aproveitando, na semana que vem teremos DUAS Masterclass: segunda-feira (05/07) a turma #04 de Curadoria de Conteúdo, e quinta-feira (08/07) a turma #01 de Posicionamento. Quero que você saia com muita inspiração e referências, mas também total capacidade de implementar uma estratégia de curadoria ou revisar o posicionamento da sua marca ou produto.

Para aprender comigo e trocar com uma turma incrível, as últimas vagas estão disponíveis aqui no link. VEM :)

-Beatriz

PS: para falar direto comigo, use o botão “responder”, ou escreva para beatriz@bitstobrands.com

obrigada por ler até o final, e não esqueça de compartilhar :)

👩🏻‍💻 curadoria e textos por Beatriz Guarezi. estrategista de marcas, curadora de conteúdo e escritora de e-mails.

📩 essa é uma newsletter semanal sobre tendências de tecnologia e comportamento para marcas. se você aproveitou essa edição e ainda não assina, receba por e-mail:

A Bits to Brands agora oferece também Masterclasses. Aulas online, ao vivo, em que aprendemos juntos sobre temas como curadoria de conteúdo, posicionamento de marca e newsletter. Para ficar sabendo de novas turmas, inscreva-se na lista de interesse:

Quero saber primeiro das Masterclass :)