Bits to Brands #28 | Year In Review

Year in Review

O YouTube fez (aliás, foi um desastre).
O Spotify fez (cheio de dados essenciais para a vida, tipo 44 playlists chamadas "tutupom").
O Facebook fez (mas eu confesso que não li porque tava ocupada com mais um escândalo deles em 2018).
O Google fez (e algumas das top buscas esse ano foram "Como fazer slime?", "O que é fascismo?" e "Sylvester Stallone", porque no Brasil nada mais faz sentido).

Então, Bits to Brands vai fazer também essa reunião de highlights e do que dividimos nesse ano de 2018.

O que começou em junho com 1 subscriber (eu mesma) se tornou uma comunidade de 700 pessoas, que consumiram 28 edições repletas de acontecimentos, referências e reflexões sobre os universos de marca e tecnologia.

Durante essas edições:
- Vimos a Apple ser a primeira empresa da história a atingir o valor de 1 trilhão de dólares;
- Comentamos a série de episódios que levaram a MoviePass a despencar em valor, clientes, modelo de negócio e tudo que teve direito;
- Acompanhamos de perto a chegada da Yellow no Brasil quando tudo ainda era dúvida - e hoje já tem bikes e patinetes por todos os lados em diversas cidades;
- Pudemos falar também de produtos - desde os lançamentos do Apple Watch e do Waze Carpool, até os queridos Kindle, Twitter e Méliuz.

Fora o Elon Musk perdendo o trono, a cobertura do RD Summit, o ranking 2018 das marcas mais valiosas do mundo (e do Brasil) e as reflexões sobre a influência da tecnologia no nosso comportamento.

Esse conteúdo todo, além de ter proporcionado muita troca, novas conexões, e reflexões que foram de agências de publicidade a times de desenvolvimento de produto, gerou também bastante repercussão.

O grande símbolo disso foi a edição sobre a Yellow chegando em um dos seus fundadores, o Ariel (aquele da 99), com direito a compartilhamento e QUOTE.

Mas para além desse leitor "high profile", eu dou imenso valor a cada um que tira tempo para responder, compartilhar, elogiar e recomendar esse conteúdo - pública ou reservadamente.

O crescimento mencionado acima é 100% orgânico, vindo de quem assinou, gostou, apoiou e indicou. E essa confiança não tem preço. A oportunidade de dividir o meu ponto de vista sobre esses assuntos e saber que eles são interessantes para mais gente, também não.

Obrigada por estarem aqui a cada edição. Pelas recomendações e tantos elogios que me motivam mesmo nas semanas mais puxadas. Por terem nesse espaço fonte de inspiração e reflexão no dia a dia, permitindo que ele cumpra o seu propósito.

Ano que vem tem mais <3


E TEM MESMO, EIN? Em janeiro vai ter especial tendências 2019 - com curadoria das principais listas que estão rolando por aí, e com diferentes pontos de vista além do meu. Vamos começar o ano juntos? :)
- Beatriz

~ Nesse clima lindo de fim de ano, tenho dois pedidos ~

O primeiro é fácil. É indicar essa newsletter pra uma outra pessoa. Uma só! Se cada um indicar para mais um, tem chance de chegar na meta de 1.000 assinantes ainda em 2018. Seria O presente de natal <3

O segundo é me contar se você tem alguma sugestão ou recomendação para esse espaço evoluir ano que vem. Aproveitando que eu estou no meio do planejamento de metas, me ajudem a deixar o conteúdo ainda melhor.

Os melhores links DO ANO
dos aprox. 140 links que apareceram por aqui, esses foram os mais acessados em 2018:

A edição limitada White Walker, da Johnnie Walker
Que foi sucesso de cliques nas duas vezes em que apareceu aqui. Feliz de saber que além de sermos uma comunidade de marca e tech, também somos fãs de Game of Thrones. Ano que vem pode ter uma seção de review dos episódios da última temporada!

As novidades do Google Brasil para 2018
Na época, destacamos o Google Assistente e suas funcionalidades no Brasil, tipo pedir um iFood ou comprar um ingresso para o cinema. Mas o que chamou atenção hoje foi a menção ao Google Arts & Culture, que essa semana virou notícia por trazer uma memória maravilhosa do Museu Nacional <3

As novas marcas da Sympla e do Guia Bolso
Todo mundo clicou para saber como tinham ficado. É muito legal poder falar de posicionamento e marca para além de Google e Facebook, comentando marcas brasileiras. Seguiremos ano que vem.

"Como Facebook, Twitter e Google lucram quando você sente raiva"
"Para descobrirem nossos gostos e vontades – e, assim, exibirem conteúdo que possivelmente prenderá nossa atenção –, o ecossistema de publicidade online investe pesadamente em engenharia e análise de dados (que passa, inclusive, pela psicologia)."

Picular.co
O Google para cores. Que você certamente vai clicar e pesquisar umas palavras aleatórias para ver se funciona (as minhas foram cidade, outono e praia).