Bits to Brands #17 | O maravilhoso mundo do Twitter (e da Amazon)

O maravilhoso mundo do Twitter

2018 é o ano da crise de identidade das redes sociais. Diversos fatores (de algorítmos a Cambridge Analytica) fizeram com que o Facebook perdesse muita audiência. Isso nos deixou com o seguinte cenário:

- Para o Instagram, migraram os anunciantes. Publiposts, stories patrocinados, perfis comerciais, "arrasta pra cima, meninas".. You name it. E quanto mais conteúdo comercial, mais artificial fica a rede que um dia já foi sobre #bestfriends #love #forever, ou pratos de sushi com filtro sépia.

- Para o LinkedIn foram os textões de superação pessoal e os "coaches". Pode fazer o teste e scrollar pela sua timeline, que em menos de um minuto eu garanto que aparece alguém contando sobre o que aprendeu ao sair do emprego dos sonhos e empreender, ou uma variação disso.

- No próprio Facebook, ficou a família. Pais, tios, primos, avós.. Compartilhando resultados de testes de personalidade, ou fazendo textão sobre política.

O que nos traz ao Twitter. Que em meio ao furacão, é a rede social onde sobrou a maior autenticidade.

Essa semana, inspirada por histórias que viralizaram recentemente e pela utilidade que essa ferramenta tem tido no meu processo de curadoria, quero mostrar como e por que essa é a rede social que gera o melhor conteúdo atualmente.

Tem um panorama das redes sociais, os diferenciais da plataforma, os últimos acontecimentos que provam a relevância do conteúdo gerado lá AAND uma lista das melhores arrobas para seguir nos universos de marca, tecnologia e entretenimento.

É para entender como funciona, rir com as threads que fizeram sucesso nos últimos tempos e construir uma timeline para interagir e se atualizar.

Tudo isso, no nosso Medium, onde você pode deixar até 50 palminhas de uma vez, e também compartilhar o link. No seu Twitter, talvez? :)


clique na imagem para acessar o artigo

Finalmente consegui organizar esses pensamentos para vocês. Ficou longo, mas leve e super completo. Aliás, se eu te convenci, cria a sua conta, monta a sua timeline e me segue lá

- @beatrizguarezi

PS: O Twitter não me pagou nada para escrever esse artigo. Venho observando essa dinâmica entre as redes sociais há tempos, e escrevo por prazer e interesse genuíno no assunto.

~ Já recomendou essa newsletter para alguém essa semana? ~

Se você se sente melhor informado pelo conteúdo da Bits to Brands, que tal recomendá-la como fonte de atualização para os colegas?

O #geral do Slack da firma tá aí para esse tipo de dica boa! (e GIFS, claro)

Os melhores links da semana


Falando em redes sociais..
O GNT produziu uma série documental com o Quebrando o Tabu, e o primeiro episódio é sobre privacidade. Com foco para conteúdo compartilhado nas redes sociais, e os dados que as empresas estão coletando sobre nós. Para ver completo tem que ter acesso ao GNT, mas esses dez minutos já dizem muita coisa.

Não é mais um texto sobre o Instagram nos deixando deprimidos
É o melhor que eu já li. Todo mundo que tem o aplicativo no seu celular devia ler esse artigo, porque todos são parte da causa. "Even as we’re being made miserable by the unreal lives that we follow, we share an unreal version of our own lives."

A economia da ansiedade
Um artigo fascinante da VOX, sobre os milhões de dólares girando em torno de livros para colorir, aromaterapia, óleos essenciais, aplicativos de mindfulness e diversos outros produtos feitos para nos acalmar. Um comportamento de consumo que, infelizmente, está apenas no começo.

So. Much. Amazon.


Foi só a Apple fazer o seu grande evento do ano na semana passada, que nos últimos dias o Jeff Bezos causou em duas frentes do seu negócio. O resumo de cada uma:

1) Amazon Go(es) everywhere

Segundo a Bloomberg, a loja sem filas e sem caixas da Amazon pretende ir de experimento em Seattle a 3.000 unidades pelos EUA, nos próximos 3 anos. O plano é concentrá-las em grandes cidades, onde as pessoas seriam atraídas por refeições rápidas e fáceis. Isso, unido a uma facilidade tecnológica (já que os pacotes são grandes para os sensores detectarem) e uma boa margem de lucro.

Enquanto essa notícia repercutia, as ações do Walmart e da Target caíram. Winter is coming.

2) Alexa pela casa inteira

No último dia 20, sem anúncio prévio, a Amazon fez um evento para apresentar as últimas novidades em hardware. Que como não poderiam deixar de ser, estão centradas na Alexa. A assistente virtual ganhou novos formatos de Echo, que agora vão muito além da caixinha de som. Tem uma versão para ficar no carro, um relógio de parede, um adaptador de tomada, um tablet e até um microondas.

A estratégia aqui é clara: ter uma Alexa para cada canto onde as pessoas passam a maior parte do seu tempo. E aos poucos, a Amazon vai se tornando o principal player na vida doméstica das pessoas, através das suas funcionalidades e dos dados de comportamento que ela armazena. O que você compra e quando, que horas você chega em casa do trabalho, o que você faz primeiro, o que você mais prepara, qual o seu deslocamento diário, quanto tempo você passa no trânsito..

E enquanto a captação desses padrões é assustadora, a Amazon cuidou para que ela também seja útil: uma nova funcionalidade, chamada Hunches, faz com que a Alexa coordene uma série de ações com um só comando. Um simples "Alexa, vou dormir" pode fazer com que ela apague as luzes, ligue o despertador e ative os alarmes da casa.

Medo.

Marketing Digital na Prática

Atire a primeira pedra quem nunca mandou um e-mail para uma base de leads pouco ativos, ou que não se sabia direito da onde vieram, porque "vai que alguém converte".. Dedico-lhes a mais recente do Marketoonist: