Bits to Brands #12 | Lá vem a Yellow 🚲

Lá vem a Yellow

Faz apenas pouco mais de uma semana que a Yellow começou a operar oficialmente em São Paulo, mas já temos muitas observações a fazer sobre a mais recente (e mais comentada) startup de mobilidade urbana do Brasil.

Isso porque a Yellow reúne tudo que mais gostamos: um modelo de negócios inédito, uma marca construída no mundo digital e físico, e uma iminente mudança de comportamento (e deslocamento) nas cidades.

Por enquanto, são 500 bikes circulando por poucas regiões de São Paulo, mas já é o suficiente para entender o modelo e observar as experiências positivas e negativas com a marca.

Na verdade, depois de pesquisar muito, perguntar no Twitter e testar o app, esse assunto rendeu muito mais do que caberia em uma newsletter. Por isso, lá vamos nós para o Medium.

O que é a Yellow, como ela funciona, como a marca se posiciona, o que vem acontecendo desde o lançamento e o que esperamos do futuro. Tudo isso você confere nesse artigo.

“…Dos mesmos criadores de ‘mas você vai pegar carona com um estranho?’, vem aí o ‘mas você vai largar essa bike no meio da rua??’” from “Tudo que você queria saber sobre a Yellow” by Beatriz Guarezi.

E depois me conta como tem sido a sua experiência com as bikes amarelinhas (se você é de SP) ou se você acha que elas funcionariam na sua cidade (se você é de outra cidade). Spoiler: eu sou #teamYellow :)

- Beatriz

Se você curte esse conteúdo, ajude mais pessoas a encontrá-lo
compartilhando nas redes sociais, ou por e-mail:

Os melhores links da semana


Quando o nome faz toda a diferença
Uma startup americana ofendeu muita gente com o nome que deu para sua solução: Bodega. Tanto que, um ano depois, eles estão trocando de nome para ver se ganham uma nova chance. Esse branding, né, gente..

O futuro do fast-food
O novo restaurante do McDonald's - que mais parece uma Apple Store.


As novidades do Google para o Brasil..
A última edição da newsletter do ThinkWithGoogle, que trouxe um compilado muito bom das novidades em produtos e serviços do Google no mercado brasileiro

..com destaque para as novas parcerias do Google assistente
E claro que gostamos especialmente dessa: as novas habilidades do Google assistente. Em 2018, já será possível pedir em voz alta para ouvir certas estações de rádio, reservar uma mesa no Restorando, pedir comida pelo iFood e chamar um carro pela 99.

Mais tecnologia chegando por aqui


Na mesma semana que as ruas de São Paulo se encheram de bikes amarelas, elas também ficaram repletas de anúncios de outra nova tecnologia - a Bia, minha xará e assistente virtual do Bradesco.

Desenvolvida pelo banco com a IBM Watson, a Bia ainda não fala, mas já interagiu com mais de 7 milhões de usuários, num processo em que aprende a entender variações regionais, gírias e abreviações.

Está sendo interessante acompanhar como uma tecnologia complexa, e ainda rara no Brasil, está sendo traduzida para o mainstream, inclusive em formato de comercial de TV.

A "inteligência artificial do Bradesco" (me pergunto por que não "assistente virtual"..) realiza tarefas dentro do aplicativo do banco. No início, ela conseguia responder perguntas sobre 11 produtos e serviços. Hoje, já é capaz de responder sobre mais de 70.

A partir dela, o Meio&Mensagem questionou algo que a gente já vem se perguntando há algumas edições: como construir estratégias para "marcas que falam".

Eu não sou cliente do Bradesco, mas se alguém é, e já "experimentou o futuro hoje", me conta como tem sido essa experiência? Algo me diz que voltaremos a falar sobre isso..