Bits to Brands #11 | A MoviePass bateu num iceberg

A MoviePass bateu num iceberg

Essa é uma história cheia de altos, baixos e ironias do destino. Seria um material ótimo para aulas de estratégia - se não fosse verdade.

Tudo começa com Mitch Lowe, um dos fundadores da Netflix. Depois de ter facilitado que as pessoas assistissem filmes no conforto do lar, agora ele decidiu facilitar que elas vão até ao cinema (eu falei que tinha ironia). Para isso, nasceu a MoviePass.

A MoviePass é um serviço de assinatura, onde com 10 dólares por mês você pode retirar um ingresso em 91% dos cinemas dos EUA, uma vez por dia. Ou seja, se as pessoas forem ao cinema só uma vez no mês, a conta fica no zero a zero. Se alguém for todos os dias, o prejuízo para a MoviePass é grande.

Em fevereiro, o Mitch (íntimos nós) acreditava que seria capaz de dobrar a média de filmes que os americanos viam por ano - de 5, para 10. O que seria muito bom para os cinemas, e ainda geraria um pouco de lucro para ele.

Win-win, certo? Errado. No final de julho, uma instabilidade no aplicativo fez com que muitas pessoas fossem ao cinema à toa. Para depois descobrirmos que a MoviePass estava sem dinheiro para processar ingressos. Sem. Nenhum. Dinheiro.

Em maio o modelo de negócios já estava sendo questionado, por causa de um déficit de mais de 21 milhões de dólares. Aí há algumas semanas atrás, o caos se instalou, no valor das ações, customer service e nas redes sociais.

O comentário geral, dos usuários e da mídia especializada, é que era questão de tempo. O clima de desconfiança, misturado com "bom demais para ser verdade" era constante. E o uso do aplicativo não era exatamente bem regulado.. Esse baque só fez confirmar as apostas.

Mas ao contrário do que se esperava, a MoviePass não afundou - pelo menos ainda. A empresa conseguiu um empréstimo de 5 milhões de dólares para continuar operando, e anunciou mudanças no modelo de negócios, que incluem aumento de preços, e uma "espera" de duas semanas até liberar novos lançamentos.

Já que a metáfora do dia eu peguei emprestada do Titanic, isso representa os botes salva-vidas chegando para resgatar as pessoas, naquele momento em que a gente não sabe ainda qual o desfecho da história.

Além disso, em meio ao caos financeiro e de imagem, a MoviePass anunciou também que vai começar a produzir filmes (?), e o primeiro será estrelado pelo Bruce Willis (??). Isso, claro, é o equivalente aos músicos tocando violino enquanto o navio afunda.


O futuro é muito, mas muito incerto. Só posso afirmar que a MoviePass virará case de estratégia. A dica é (ironicamente) pegar uma pipoca e acompanhar se será uma volta por cima, ou um erro de rota irrecuperável.

- Beatriz

Se esse conteúdo é útil para você, ajude mais pessoas a encontrá-lo
compartilhando nas redes sociais, ou indicando por e-mail:

Os melhores links da semana


Lá vai o Musk novamente..
Mais uma vez no Twitter, Elon Musk fez um anúncio polêmico. Aparentemente, logo logo ele irá fechar o capital da Tesla. Oficialmente, isso melhoraria as operações. Mas arrisco que não ter o valor das ações oscilando radicalmente a cada tweet dele também não seria nada mal..

The joy of missing out
"FOMO" (fear of missing out) é tãão 2017. A moda agora é JOMO - ou seja, o oposto. A paz e felicidade em não estar conectado e acompanhando tudo 100% do tempo. Esse artigo da FastCompany mostra como esse conceito está sendo incorporado pelo Google nos seus produtos.

Quem quer ser um trilionário?
7%. Se as ações da Amazon crescerem mais 7%, ela se juntará à Apple na mesa dos trilionários. Estou deixando esse link aqui porque caso isso aconteça nos próximos dias, você, leitor dessa newsletter, pode dizer que já estava de olho ;)

Um mundo cada vez mais "instagramável"
Esse artigo denso, mas muito bom, da Bloomberg, sobre o impacto do Instagram no design do mundo à nossa volta. Muito interessante para quem se interessa no impacto social cada vez maior dos nossos gadgets e redes sociais.

Disruptivas em tudo, menos na forma de apresentar
Bloomberg de novo, mas achei que vale a reflexão. O artigo questiona até que ponto vale apresentar produtos e tecnologias disruptivas, no exato mesmo modelo de evento de dez anos atrás. "Tanto tempo depois do lançamento do primeiro iPhone, por que ainda estamos fazendo desse jeito?"

Women in Tech

Há alguns meses, foi feita uma pesquisa nos Estados Unidos pedindo para as pessoas citarem mulheres conhecidas no mercado de tecnologia.

Só 8% delas arriscaram um palpite. E das que o fizeram, somente 4% acertou. Para piorar um pouco, entre as pessoas que erraram, alguns mencionaram a Siri e a Alexa.

O que não falta nesse mercado são CEOs, programadoras, estrategistas, pesquisadoras e especialistas incríveis. Nesse artigo, publicado junto ao grupo Mulheres de Produto, eu cito algumas.

Recomendo conhecer e acompanhar cada uma delas. :)

"If you as a customer know that there’s a different way, don’t take for granted that the way it’s been done in the past is the best way.

Keep your eyes open to what consumers really want. Focus on the consumer. Focus on what the customer wants."

- Mitch Lowe, em fevereiro, quando as coisas estavam mais tranquilas

Aqui, eu compartilho os destaques da semana, mas no Twitter tem novas referências todo dia e no Medium reflexões em mais profundidade. O LinkedIn é para networking, se você for de networking :)

Se alguém te encaminhou essa newsletter e você quer assinar para receber toda semana, é só clicar aqui: