Bits to Brands #7 | Elon Musk: o criador, as criaturas e as marcas

Elon Musk: o criador, as criaturas e as marcas

Assim como na maioria das publicações de tecnologia, Elon Musk é o assunto da semana por aqui.

Só que o invés de especular se ele é genial ou startupeiro, (isso é assunto para mesa de bar), resolvi explorar algo que é bem menos controverso: o fato de que Musk é, hoje, uma das maiores marcas do mundo.

No universo do branding, fala-se muito sobre marcas serem pessoas. Atribuem-se aspectos de personalidade, arquétipos, emoções, tom de voz.. o máximo de humanidade possível.

Mas desde sempre, e com cada vez mais intensidade, pessoas também são marcas. Nomes e sobrenomes trazem consigo públicos, propostas de valor, storytelling, expectativas, imagem e etiqueta de preço.

No caso de Elon Musk, o nome vem sido acompanhado de uma série de imagens, uma mais impressionante que a outra. Foguetes. Carros que dirigem sozinhos. Baterias de energia solar. Turismo em Marte. Dinheiro, muito dinheiro. Iron Man. Um gênio, um visionário.

E como a gente também fala muito no branding, marcas são promessas. A grande questão sobre a marca Elon Musk é se a prática é capaz de cumprir todas as promessas do imaginário.

A situação que trouxe isso à tona foi a sua tentativa de ajudar no resgate dos meninos presos na gruta, na Tailândia. Que resultou em um mini-submarino que não foi utilizado, e um piti no Twitter.

Enquanto os seus feitos e invenções são notáveis e quanto a isso não há discussão, a reflexão que eu quero trazer é sobre o impacto da marca do criador sobre as suas criaturas.

Steve Jobs, por exemplo. A sua genialidade foi incorporada à Apple de tal forma, que mesmo após a sua morte, a força da marca é capaz de manter o valor dos produtos de um jeito sem precedentes.

No caso de Musk, ainda restam dúvidas sobre o impacto que a sua imagem tem sobre os seus projetos - especialmente Tesla e SpaceX. Será que ele impulsiona o seu sucesso, ou o egocentrismo que é impulsionado pelas suas marcas?

Acreditamos no potencial da SpaceX por causa do Musk; ou acreditamos nas promessas do Musk por causa da SpaceX?


"Brands suck", diz ele. E talvez o que esteja faltando seja uma estratégia de marca mais clara, para potencializar o criador, e também as suas criaturas. ¯\_(ツ)_/¯

- Beatriz

Se esse conteúdo é útil para você, ajude mais pessoas a encontrá-lo
compartilhando nas redes sociais, ou indicando por e-mail:

Os melhores links da semana


Um comportamento criado para aumentar market share, ou para espantar competidores?
Texto do ano passado, mas muito relevante, que a Brenda Leal resgatou depois da edição sobre a Amazon. Sobre o impacto da empresa no mercado, e até que ponto ele é ok. Ótima leitura!

A última campanha do Apple X
Feita para nós, esquecedores de senha. Aparentemente esse é o problema que o FaceID veio resolver.

Siri+ Banco Next = transferências feitas por voz
Quem tem iPhone e conta no banco Next já pode se sentir um pouco mais no futuro, e requisitar transferências por comando de voz. Sou #teamnubank, mas quem testar, me conta se funcionou?

Uma nova marca para a Resultados Digitais
“Quem é do mundo de tecnologia costuma dar pouca atenção à questão de marca. É um erro. O empreendedor do setor precisa dar atenção para as duas coisas, do mesmo jeito”. Quote que podia ter saído dessa news, mas veio do CEO da RD. #respect

Uma seção pra chamar de nossa

Disclaimer: Desde o início, a ideia era que o Bits to Brands ligasse pontos - não só entre ideias, mas entre pessoas.
O primeiro passo é compartilhar opiniões sobre a última news, ou acontecimentos da semana.
Quer trocar uma ideia por aqui? É só mandar um e-mail para beatriz@bitstobrands.com.
Minha caixa de entrada, é sua caixa de entrada. E esse espaço é nosso :)



"O impacto causado pela troca e descarte de eletrônicos faz a gente repensar (ou deveria fazer) no nosso consumo de tecnologia e sobre como devemos cobrar de empresas que vivem disso um posicionamento mais sustentável em todos os aspectos. Vale aqui, nós termos senso crítico para entender quais empresas realmente estão dispostas a repensar e criar para um mundo melhor e quais estão apenas surfando essa onda de consumo consciente."
- Jaqueline Tampelli, publicitária [@jaquetampelli]



"Sobre as marcas "empoderadoras", "causadora de transformações", "catalisadora de negócios" mas que ninguém entende o que realmente fazem. Acho que a tal "era da experiência" deixou essa mancha nos posicionamentos - tudo é muito experiencial mas, muitas vezes, pouco compreensível. A sequencial "era do data driven" também tá deixando sua mancha - a galerinha high-stakes, growth-driven-thinking, growth-centered-design e seila o que mais. O que falta a essas marcas, de modo geral, é entender que posicionamento é coisa séria! É um trabalho pra profissionais da área de branding e estratégia, não é o nick do seu MSN que muda junto com as suas músicas."
- Joana Mitidiero, especialista em branding [LinkedIn]

Aqui, eu compartilho os destaques da semana, mas no Twitter tem novas referências todo dia e no Medium reflexões em mais profundidade. O LinkedIn é para networking, se você for de networking :)

Se alguém te encaminhou essa newsletter e você quer assinar para receber toda semana, é só clicar aqui: